História da Maquilhagem Permanente como Técnica de Tatuagem

A maquilhagem permanente é uma tatuagem localizada nos lábios, pálpebras e rostos, feita para se assemelhar à maquilhagem clássica. É aplicada por razões estéticas e para remover a necessidade de aplicar maquilhagem clássica ou para cobrir imperfeições como cicatrizes ou manchas brancas na pele do vitiligo.

A maquilhagem permanente (hoje também conhecida como micro-pigmentação, derma pigmentação, e tatuagem cosmética) tornou-se popular no início do século XX. Ainda assim, é possível que isso tenha sido feito antes disso, porque a tatuagem é uma prática antiga. Sabemos que as pessoas tatuaram-se há 5000 anos atrás por diferentes razões (desde religiosas e médicas a estéticas). No início da década de 1930 assistiu-se a um aumento da popularidade da maquilhagem permanente. Muitos salões de beleza daquela época tatuaram mulheres sem lhes dizerem, vendendo o tratamento como “tratamento de tez” (não lhes dizer que é tatuagem) e injectando-lhes tinturas vegetais.

Quando o tratamento termina, realça as características do rosto: sobrancelhas, olhos, e lábios. O quanto faz isso depende do desenho, tipo de cor utilizada, e quantidade de pigmento injectado na pele. Além disso, imediatamente após a tatuagem estar terminada, o resultado pode parecer demasiado escuro. Isto porque a cor ainda se encontra nas camadas epidérmicas mais exteriores da pele – perto da superfície. Com o tempo (não demasiado longo – alguns dias), a pele cicatrizará, as camadas superiores da epiderme serão substituídas por novas células epidérmicas, e a cor desvanecer-se-á, permanecendo mais clara mas ainda presente. Dependendo da pessoa e da forma como é tratada, esta cor pode durar muito tempo ou começar a desbotar após algum tempo. A cor pode também desvanecer-se se estiver demasiado exposta ao sol e se houver mais pigmento na pele, será necessário mais tempo para desvanecer completamente. Quando a maquilhagem permanente está estabilizada, aqueles que estão tatuados podem ficar insatisfeitos com o efeito final. Os erros mais comuns na aplicação da maquilhagem permanente são “demasiado escuro”, “cor errada”, “desigual” e “demasiado grande”. Na maioria dos casos (como cor e uniformidade), estas queixas podem ser corrigidas por um profissional. Uma maquilhagem demasiado grande pode exigir técnicas de clareamento e/ou remoção de pigmentos, que são dispendiosas e dolorosas. Este problema também pode ser resolvido com maquilhagem clássica.

Guess You Would Like:  Como fazer uma tatuagem Stencil em casa?

A maquilhagem permanente pode desenvolver complicações como tatuagens padrão. Os receptores podem desenvolver alergias ao pigmento utilizado, formar cicatrizes, granulomas (uma forma de inflamação), e quelóides (um tipo de cicatriz sobrecrescida). Também correm o risco de rachar a pele, descamação, bolhas, e infecção local. Se os instrumentos de tatuagem não forem esterilizados, podem ser infectados com doenças como o HIV e a hepatite, se os mesmos instrumentos forem utilizados naqueles que têm estas doenças. Se os pigmentos utilizados na tatuagem fossem adulterados com metais pesados ou tivessem propriedades magnéticas, as pessoas com este tipo de maquilhagem permanente poderiam experimentar inchaço ou ardor se expostas à ressonância magnética (MRI), mas estes casos são raros. Se os receptores mais tarde mudarem de ideias, podem remover tatuagens, mas este processo é duro e doloroso. As técnicas de remoção de maquilhagem permanente são o ressurfacing a laser, a dermoabrasão (remoção física ou química das células da pele – esfoliação), e a remoção cirúrgica.